Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Espaço

NASA detalha missão para coletar amostra de asteroide

Redação do Site Inovação Tecnológica - 17/03/2010

NASA detalha missão para coletar amostra de asteroide
Concepção artística da missão Osiris-Rex, uma proposta da NASA para estudar e trazer de volta uma amostra do asteroide RQ36, que tem risco de chocar-se contra a Terra no futuro.
[Imagem: NASA]

Sonda robótica

Depois de arquivar seus planos de retornar à Lua e anunciar investimentos em vários projetos privados, a NASA anunciou aquela que pode ser a primeira missão da nova era da exploração espacial norte-americana.

Embora um voo tripulado para um asteroide agora pareça ser mais factível do que pisar na Lua ou em Marte, a NASA vai dar um passo de cada vez.

A missão agora anunciada propõe enviar uma sonda robótica para pousar no asteroide 1999 RQ36, coletar amostras e trazê-las de volta à Terra. A missão foi batizada de Osiris-Rex (veja significado no final da reportagem).

Cápsula do tempo

Com pouco mais de 600 metros de diâmetro, o RQ36 é interessante por dois motivos principais.

O primeiro é que, no futuro distante, esse gigantesco pedaço de rocha poderá atingir a Terra. E informações sobre sua composição serão extremamente úteis se precisarmos desviá-lo ou destrui-lo.

A segunda razão para justificar a missão Osiris-Rex é que o RQ36 é um resquício dos primeiros dias do Sistema Solar, podendo conter informações importantes para sabermos como o nosso sistema estelar se formou e se organizou.

"Este asteroide é uma cápsula do tempo vinda de uma época anterior ao nascimento do nosso Sistema Solar," afirma Bill Cutlip, do Centro de Voos Espaciais Goddard, da NASA, e um dos líderes do esforço para viabilizar a missão OSIRIS-Rex, que deverá coletar e trazer para a Terra uma amostra do RQ36.

Amostra de asteroide

A amostra a ser coletada da superfície do RQ36 será armazenada em uma cápsula e retornará à Terra, descendo até o solo de paraquedas, como a bem-sucedida missão Stardust, que coletou e trouxe de volta amostras do cometa Wild 2 em Janeiro de 2006.

A Stardust não pousou no cometa, ela apenas voou em sua cauda, coletando amostras de sua poeira usando pedaços de aerogel.

"Não se pode subestimar o valor de uma amostra pura," acrescenta Cutlip. Meteoritos, pedaços de asteroides que se quebram e mergulham rumo à Terra, "são torrados em seu caminho através da atmosfera da Terra," explica Cutlip. "Quando caem no solo, então eles absorvem os micróbios e os compostos químicos do ambiente ao redor."

Estas impurezas impedem uma análise precisa e tornam incertas muitas previsões sobre o asteroide que originou o meteorito.

"Com uma amostra pura - especialmente uma de um tipo de asteroide ainda não disponível nas coleções de meteoritos da NASA - os cientistas vão aprender mais sobre o período anterior ao nascimento do Sistema Solar, os estágios iniciais da formação dos planetas e a fonte de compostos orgânicos disponíveis para a origem da vida," disse o Dr. Joseph Nuth, também cientista da NASA.

Nascimento do Sistema Solar

Os astrônomos acreditam que os asteroides sejam restos de uma nuvem de gás e poeira - a nebulosa solar - que entrou em colapso para formar o Sol e os planetas, cerca de 4,5 bilhões de anos atrás. Desta forma, eles podem conter o material original da nebulosa solar, o que pode nos dizer muito sobre as condições de nascimento do nosso Sistema Solar.

Em alguns asteroides, este material original foi alterado pelo calor e por reações químicas - ou por causa de colisões com outros asteroides ou porque o asteroide tornou-se tão grande que o seu interior se fundiu.

É isso o que torna o RQ36 tão especial. Ele é pequeno e parece ter sido muito pouco alterado, preservando um retrato fidedigno da infância do nosso sistema solar. Ele é também rico em carbono, o elemento presente em muitas das moléculas orgânicas necessárias à vida.

As moléculas orgânicas têm sido encontradas em amostras de meteoritos e cometas, indicando que alguns dos ingredientes da vida podem ter sido criados no espaço e vindo "semear" a Terra, uma teoria conhecida como panspermia. Os cientistas querem ver se esses ingredientes da vida estão presentes também no RQ36.

Os chamados ingredientes da vida também já foram encontrados em lugares tão diferentes quanto regiões distantes da Via Láctea e em uma lua de Saturno.

Risco de impacto com a Terra

NASA detalha missão para coletar amostra de asteroide
É preciso saber mais sobre o asteroide RQ36 se precisarmos destrui-lo no futuro, quando ele poderá entrar em rota de colisão com a Terra.
[Imagem: NASA]

Trazer uma amostra para estudos, contudo, não é o único objetivo da missão.

Este asteroide cruza a órbita da Terra e a União Astronômica Internacional já classificou oficialmente o RQ36 como um asteroide "potencialmente perigoso", com uma pequena chance - uma em 1.800 - de colisão com a Terra no ano de 2170.

"Nós iremos orbitar o RQ36 por cerca de um ano para analisar a sua superfície e escolher um ponto para recolher a amostra. Isso nos dará experiência na operação de uma nave espacial ao redor de um asteroide, experiência que será útil se algum dia tivermos de enviar uma missão para desviar um." diz Nuth.

Pilotar uma nave espacial perto de um asteroide não é fácil. A maioria deles é irregular e gira mais rapidamente do que os planetas, o que torna um pouso uma manobra extremamente desafiadora. E como sua gravidade é muito fraca, outras forças podem influenciar significativamente a posição da nave.

Na verdade, trata-se mais de uma "atracação" do que de um pouso. Para se ter uma ideia, a tênue pressão da radiação solar sobre a nave e seus painéis solares representam cerca de 20% da força da gravidade do RQ36.

Efeito Yarkovsky

A missão também irá ajudar a prever melhor as órbitas dos asteroides com risco de atingir a Terra.

Será a primeira vez que o chamado "efeito Yarkovsky" será medido com precisão. O efeito Yarkovsky é um pequeno "empurrão" que um asteroide sofre quando ele absorve a luz solar e emite calor. Ainda que seja pequeno, esse impulso vai se somando ao longo do tempo, alterando a oscilação e a rotação do asteroide.

E o efeito Yarkovsky é variável de asteroide para asteroide, dependendo da sua forma e dos materiais presentes em sua superfície.

Segundo os cientistas, não há uma maneira segura de prever com exatidão a aproximação de um asteroide da órbita da Terra a menos que se conheça seu efeito Yarkovsky, o que permite calcular sua mudança de órbita no futuro.

O que significa Osiris-Rex

O nome OSIRIS-Rex é um complexo acrônimo que explicita o que a missão pretende fazer.

"O" representa o tema científico, origens, como origem do Sistema Solar e origem da vida.

"SI" significa interpretação espectral (Spectral Information), o que por sua vez significa tirar fotos do RQ36 em vários comprimentos de onda para estudar a sua composição.

"RI" significa resource identification, ou identificação de recursos, que consistirá em examinar o asteroide em busca de recursos úteis, tais como água e metais, interessantes para uma futura mineração espacial.

"S" representa segurança, referindo-se à previsão do movimento detalhado dos asteroides que se aproximam da Terra.

REX significa Regolito EXplorer. Regolito é uma camada de rocha e poeira, formada pelo impacto de outros meteoritos, que cobre a superfície de muitos asteroides e luas do nosso sistema solar.







Outras notícias sobre:
  • Corpos Celestes
  • Sondas Espaciais
  • Universo e Cosmologia
  • Mineração

Mais tópicos