Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Plantão

Sonda OSIRIS-REx captura amostras do asteroide Bennu

Redação do Site Inovação Tecnológica - 22/10/2020

Sonda OSIRIS-REx captura amostras do asteroide Bennu
O disco de coleta afunda ligeiramente no regolito, coletando amostras durante seis segundos. É possível ver a poeira se espalhando sobre as rochas ao redor.
[Imagem: NASA]

Decepção e sucesso

A NASA finalmente divulgou imagens do momento em que a sonda espacial OSIRIS-REx tocou o asteroide Bennu para coletar amostras.

No dia anterior, a agência espacial causou decepção - e até a ira de alguns - ao prometer transmitir o evento ao vivo. A transmissão ocorreu, mas só mostrou o que alguns internautas chamaram de "um monte de gente tagarelando", sem qualquer imagem.

Talvez o anúncio do evento ao vivo não tenha tido um bom trabalho de marketing, porque a banda de transmissão de dados de uma sonda espacial para a Terra é muito baixa, e não permite ainda transmissões ao vivo. Embora mostrar apenas uma imagem fosse de fato possível, a NASA precisou de mais 24 horas para baixar todos os dados da sonda para confirmar o sucesso da missão.

A sonda OSIRIS-REx foi lançada em 2016, com a missão de coletar amostras de um asteroide chamado Bennu, que tem uma chance em 2,5 mil de se chocar com a Terra por volta do ano 2135.

Assim, o estudo do asteroide faz parte de um esforço para tentar encontrar meios eficazes de deter um corpo celeste de grandes proporções que possa ameaçar a Terra. E saber do que ele é formado é uma primeira informação essencial.

Coleta de amostras do asteroide

A OSIRIS-REx não possui um módulo de pouso, como no caso da sonda europeia Rosetta, que enviou um pequeno robô ao cometa 67P há seis anos.

Em vez disso, um braço estendido tocou rapidamente a superfície do cometa. Na extremidade do braço, um disco perfurado sugou a poeira e detritos do solo do asteroide - conhecido como regolito.

O disco tem capacidade para conter cerca de 60 gramas de material, mas não é possível saber diretamente o quanto ele capturou porque não é fácil pesar coisas no espaço. Para saber se realmente deu certo, a sonda agora fará uma manobra de rotação sobre o próprio eixo, o que permitirá calcular sua massa, que deve ter sofrido um ligeiro acréscimo por conta das amostras dentro do disco.

Embora as imagens sejam fotografias em sequência - não exatamente um filme - os dados indicam que o braço da sonda tocou a superfície de Bennu por cerca de seis segundos, mas, se tudo deu certo, o disco deve ter-se enchido de material nos primeiros três segundos.

Os motores então foram acionados para que a OSIRIS-REx se afastasse novamente, o que causou uma tempestade de detritos maior do que os especialistas esperavam. Mas todas as checagens indicam que a sonda não foi afetada pela chuva de pedras, estando pronta para trazer as amostras de volta à Terra. A chegada está prevista para 2023.






Outras notícias sobre:
  • Sondas Espaciais
  • Corpos Celestes
  • Exploração Espacial
  • Telescópios

Mais tópicos